O Coral Reef Airbone Laboratory (CORAL) é o novo programa da NASA que começou sua fase de coletas de dados no último dia 6 de junho. A partir de 2017, o CORAL irá começar a operar com levantamentos aéreos e em água de recifes de corais importantes entre o Havaí e a Austrália. Dessa forma, os cientistas do projeto irão entender como processos biológicos, químicos e físicos afetam esses sistemas delicados e irão compreender o que ainda resta fazer para salva-los.

O site da NASA preparou cinco informações iniciais importantes para que você entenda a importância do projeto. Confira:

  1. Como funciona o CORAL?

O CORAL usa um instrumento aéreo  projetado para observar ambientes costeiros, o espectrômetro de imagem remoto portátil (PRISM), que pode ver objetos de cerca de dois metros por dois metros quadrados. O PRISM vai estar acoplado em um avião Gulfstream IV coletando grandes trechos de dados que irá permitir aos cientistas distinguirem coisas como algas e areias (que são importantes para avaliar as condições dos recifes) sem precisar mergulhar .

  1. Os recifes são locais ainda muito desconhecidos

Se você abrir o Google Imagens e for procurar por imagens de corais, vai ver imagens incríveis e bonitas. Mas, isso não é nem metade do que os mergulhadores já conseguiram capturar sobre os corais ao redor do mundo. Não há dados o suficiente sobre corais e o CORAL pretende aumentar todos os dados e informações para pesquisas futuras.

  1. Mergulho para a Ciência

O mergulho tem sido uma ferramenta fundamental para a Ciência durante décadas. O CORALL não vem para substituir os trabalhos de mergulhos e sim para somar e tornar a captação de dados mais rápida e dinâmica. Enquanto o CORAL faz o mapeamento aéreo, os mergulhos podem continuar sendo feitos para a captação de amostras, imagens e demais dados. Vai ser uma parceria incrível em nome da Ciência.

  1. Muito mais que apenas ‘um rostinho bonito’

Os corais sobreviveram aos dinossauros; eles existem deste o período Triássico, há cerca de 200-250 milhões de anos atrás.  Durante todo esse tempo, passaram por evolução diversificação, existindo em várias partes do mundo. Eles desempenham um papel vital para a manutenção da biodiversidade marinha e são muito valiosos para demais seres vivos como os seres humanos.

  1. Afinal: é coral ou é recife?

Sim, há diferenças entre corais e recifes de corais. O coral (ou pólipo) é um animal que consiste em alga simbiótica e esqueleto de carbonato de sódio. É uma estrutura viva que tem menos de um centímetro de diâmetro. Os corais são colônias, ou seja, muitos pólipos crescem juntos e fazem estruturas gigantescas. Um recife de coral é todo um ecossistemas que envolve os corais, peixes, algas, luz solar, areia água, enfim, componentes vivos e não vivos. O CORAL vai estudar os corais enquanto ecossistemas, recifes, já que os cientistas têm uma boa compreensão dos corais enquanto pólipos.

7-polipo-coral

Pólipo de coral

Via site da Nasa