Mesmo sendo grandes eles não podem comer para sempre. Quando buracos negros localizados no coração da maioria da galáxias crescem até alcançar 50 bilhões de vezes a massa do nosso sol, eles podem perder os discos de gás, que utilizam como confinamentos cósmicos.

A maioria das galáxias têm um buraco negro supermassivo em seu centro. Em torno desta região do espaço o gás se instala em um disco em órbita. O gás pode perder energia e cair para dentro, assim alimentando o buraco negro. Mas estes discos são conhecidos por ser instáveis e propensos a ruir em estrelas.

Teoricamente, um buraco negro poderia ficar tão grande que engoliria a parte estável do disco e assim o destruindo. No entanto, a maioria das pessoas pensam que os buracos negros não poderiam conseguir fazer isso. “Não ocorreu a nós se preocupar com isso, porque a massa necessária era tão grande”, diz Andrew King, da Universidade de Leicester, Reino Unido.

Mas havia indícios observacionais que tal limite devá existir. Em 2008, um grupo independente liderado por Priya Natarajan, da Universidade Yale e Ezequiel Treister, da Universidade de la Concepción, no Chile consideraram o quanto que os buracos negros ”festejaram” no início do universo, e quanto gás livre ainda disponível para eles engolir em tempos recentes.

Dado o quanto os buracos negros têm se alimentado desde o início do universo, eles argumentaram, os mais gananciosos poderiam ter crescido a um tamanho de no máximo cerca de 50 bilhões de massas solares.

Temos que encontrar esses mega buracos negros.

Foi a descoberta de mega buracos negros nos últimos anos que levaram King para retornar para a pesquisa. Os buracos negros mais pesados que observamos até agora tem uma massa de até 40 bilhões de vezes a do nosso Sol, o que levou a King para calcular o quão grande um buraco negro teria que ser por sua borda externa para manter um disco de gás se formando. Ele também veio com um valor de 50 bilhões de massas solares, confirmando os achados anteriores.

Sem um disco, o buraco negro iria parar de crescer, tornando este o limite Intransponível. A única maneira que poderia crescer mais seria se uma estrela cair direto no buraco negro ou até mesmo se fundindo com ele. Mas nem mesmo esse processo iria acrescentar de forma tão eficiente como um disco de gás. “A menos que você se fundir com outro monstruoso buraco negro, se não for assim vai fazer quase nenhuma diferença a massa do buraco negro”, diz King.

Embora Natarajan veio com um limite semelhante, ele acha que a abordagem de King pode ser um pouco de uma simplificação exagerada. Os cálculos do King se concentram na estabilidade do disco de gás, mas Natarajan argumenta que não se pode ignorar a quantidade de gás em torno do buraco negro.

O gás é tão quente nas espirais em um buraco negro, que ele explode o resto do disco com raios-X, e assim ”limpa o meio ambiente” – o que significa um buraco negro que se alimenta muito rapidamente pode engasgar com sua refeição tanto que ele elimina essa quantidade extra ejetando o gás . A quantidade de gás disponível ajuda a determinar quando isso vai acontecer.

“Você tem que levar em conta o ambiente central da galáxia no qual o buraco negro está inserida”, diz Natarajan. “Não é o suficiente para olhar apenas para a estabilidade gravitacional”.

Fonte: New Scientist

Jornal de Referência: Arxiv