O robô Curiosity da Nasa perfurou mais um buraco em Marte. É o oitavo desde o início da missão e o quinto desde que atingiu o Monte Sharp, há cerca de um ano. A perfuração ocorreu em uma rocha chamada de Big Sky e faz parte de uma sequência de trabalhos para retirada de amostras, que irão passar por testes e análises no laboratório a bordo da missão em Marte. Ingredientes das rochas serão analisados para o maior conhecimento da mineralogia do planeta vermelho.

Ele enviou esse cartão postal marciano após a perfuração. Atualmente, o robô está nas encostas mais baixas do Monte Sharp, em uma região coberta de arenito chamada Unidade de Stimson. A mineralogia dessa área sugere uma mudança no ambiente de Marte, indicando que essa conformidade atual não é a mesma de muitos anos atrás. As perfurações vão ajudar a esclarecer melhor o que houve com a paisagem de Marte.

“Com o Big Sky, encontramos a rocha de arenito ordinária que estávamos procurando” disse o pesquisador do projeto, Ashwin Vasavada. “Também parece ser algo relativamente parecido com arenito, o que indica que ele tenha sido alterado por líquidos – provavelmente, água subterrânea com outras substâncias químicas dissolvidas. Nós estamos esperando para perfurar a rocha próxima, comprara resultados, e entender que mudanças têm ocorrido”, comentou.

Há duas semanas, o Curiosity conseguiu levar câmeras de longo alcance para regiões mais altas da montanha. As câmeras registraram a imagem do postal. No primeiro plano, é uma longa crista repleta de hematite, que é um óxido de ferro. Um pouco mais além, é uma planície ondulante rica em minerais argilosos. Depois, vários morros arredondados ricos em sulfato.

pia19912-main_mcam-sol-1099

“A única coisa mais impressionante que essas imagens é a ideia do Curiosity estar dirigindo através dessas colinas mais baixas um dia”, comenta Vasavada. “Nós não poderíamos deixar de enviar um postal para que todos possam seguir esse caminho um dia.”.

O projeto Mars Science Laboratory da Nasa está usando o robô Curiosity para avaliar ambientes habitáveis e importantes mudanças nas condições ambientais de Marte. O laboratório Jet Propulsion da Nasa, uma divisão do instituto Caltech, construir o robô e gerencia través do Science Mission Directorate da Nasa, em Washington.

Via: NASA