Com o fim da segunda guerra mundial, o mundo se viu imergido em uma guerra ideológica, separando pessoas de acordo com a ideologia de governo, e criando uma corrida armamentista e tecnológica, esperando uma suposta guerra entre potências mundiais. Esse período conhecemos como Guerra fria. E nesse período, além das barbáries, a humanidade também vivenciou eventos que mudariam a história para sempre, e um deles é a corrida espacial.

Como todo esforço de guerra, a corrida espacial foi uma palco fértil para avanços tecnológicos que com o passar dos anos despejou novas tecnologias em nossas vidas. E nem sempre nos damos conta que usamos a todo momento produtos que só foram possíveis graças ao empenho de homens que dedicaram parte de suas vidas ao objetivo de colocar o homem no espaço.

E você, já olhou ao seu lado agora? Quantos objetos ao seu redor nesse momento vieram do sonho de Ícaro moderno de levar o homem ao espaço?

Veja algumas dessas tecnologias que estão no nosso cotidiano:

Botas e luvas térmicas – fazem o aquecimento com a ajuda de baterias recarregáveis usadas no interior do pulso das luvas e dentro da sola das botas de esqui.

Lentes resistentes a arranhões – no espaço pequenos fragmentos de rocha, poeira e lixo espacial são um problema constante, foi preciso encontrar uma solução para proteger os equipamentos contra arranhões e a sujeira, principalmente os visores dos capacetes. Uma empresa de óculos viu neste avanço uma oportunidade e passou a oferecer lentes muito mais resistentes.

Palmilhas de tênis – as botas usadas durante as missões Apollo foram desenhadas para proporcionar ventilação e absorção de impacto durante os saltos dos astronautas. As empresas de calçados esportivos adotaram esta tecnologia para oferecer produtos com grande absorção de impacto para atletas e usuários comuns.

Espuma espacial – a espuma viscoelástica, foi desenvolvida para revestir os bancos das naves distribuindo de maneira uniforme o peso do astronauta sobre a superfície. Assim o choque é absorvido, garantindo segurança e muito mais conforto. Hoje esta tecnologia está presente em colchões, travesseiros e bancos de carro e de moto.

Aspirador de pó sem fio – em 1961 a empresa Black & Decker assinou um contrato com a NASA, para que fosse desenvolvido um aspirador capaz de sugar coisas mais pesadas, e que pudesse ser usado no espaço. O resultado agradou tanto, que foram desenvolvidos diversos equipamentos sem fio.

Roupa de combate a incêndios – estes trajes são feitos com um tecido resistente ao fogo e que foi desenvolvido para o uso nos trajes espaciais.

Joysticks – usados no seu vídeo game e em veículos para pessoas com deficiência, eles evoluíram durante pesquisas para desenvolver um controle para o veículo lunar Apollo.

Câmera de celular – Praticamente metade dos celulares com câmera usa uma tecnologia desenvolvida para câmeras espaciais.

Papinha de nenê – aquelas papinhas industrializadas para alimentação de nenês (gororobinhas), se baseiam em estudos da Nasa, que buscava alimentação balanceada para astronautas, e que servem até hoje de base para a produção de boa parte desses alimentos.

Termômetros auriculares – Termômetros auriculares muito usados por pais e mães de todo mundo em seus bebês. Inseridos no ouvido, eles medem a temperatura em segundos. Rápido, eficiente e prático. A tecnologia infravermelha que o torna possível, incrivelmente, veio de pesquisas de cientistas que queriam medir a radiação emitida por estrelas e planetas. Ela foi desenvolvida pela Diatek Corporation a pedido da NASA, a agência espacial americana.

Ranhuras nas pistas de aeroportos (grooving) – Popularizada na imprensa brasileira após o acidente com o voo da TAM que se chocou em um andar da própria companhia em 2007 no aeroporto de Congonhas, essa tecnologia foi desenvolvida pela Nasa na década de 1960, afim de encontrar maneiras de diminuir a velocidade dos ônibus espaciais em dia de chuva, impedindo acidentes.

Aparelhos dentários – a verdade é que já existiam aparelhos dentários antes da era espacial, porém os aparelhos dentários transparentes, feitos de Alumina Policristalina Translúcida (TPA), material criado para proteger partes de antenas no Espaço. No final dos anos 1980, uma empresa estava desenvolvendo novos aparelhos que fossem esteticamente mais bonitos que os clássicos metálicos. No fim, ela descobriu que a TPA é resistente o suficiente para o trabalho e é transparente. Em 1987, o produto entrou no mercado.

Tecido de cobertura de shopping e estádios – Sabe aqueles tecidos usados para cobertura de estádios de futebol? Aquele mesmo usado em estacionamento de shopping, parques e tendas? Então, eles também vieram da corrida espacial, que no final dos anos 1960, a NASA fazia pesquisas a fim de desenvolver um tipo de tecido que fosse leve, não inflamável e capaz de proteger os astronautas de todos os perigos do Espaço. Anos depois esse material entrou no mercado.

Detector de fumaça – é bem verdade que eles não foram inventados pela Nasa ou qualquer outra agência espacial, mas é graças a modificações feitas pela Nasa, que você consegue acender um fósforo sem disparar um alarme, ou tomar um banho.

Detecção de doenças cardiovasculares – A tecnologia que hoje é utilizada em aparelhos para detecção de problemas cardiovasculares foi primeiramente empregada pela Nasa para a detecção de fissuras e ranhuras que indicassem água ou vida em outro planeta.

E muitos outros produtos como filtros de água, flanela, produtos sem fio, GPS, e muitos outros itens.

“Então amigo, antes de reclamar dos gastos e do tempo investido nas viagens espaciais, afirmando que é necessário investir essas quantias aqui no planeta Terra, procure saber sobre os benefícios que essas viagens trazem e trouxeram para sua vida.”

Referências:
http://www.fas.harvard.edu/
http://www.coldwar.org
http://www.forthnet.gr/
http://www.sti.nasa.gov/tto/apollo.htm
http://www.cia.gov/cia/dst/showcase.html
http://www.pbs.org/transistor/teach/teacherguide_html/lesson2.html